Esqueça os esteriótipos dos Fariseus - Eles andam bem descolados e modernos.




"Ele disse-lhes : Vós sois os que justificam a si mesmos diante dos homens, mas Deus conhece os vossos corações, pois o que é muito estimado entre os homens é abominação aos olhos de Deus." - Lucas 16.15.


O sistema religioso dos fariseus foi inteiramente construído sobre o que o homem estima. Tudo o que fizeram foi feito para receber a glória, honra e louvor do homem.


Uma igreja pode ser descolada, moderna... mas se tudo que ela faz é para agradar e atrair os homens, seu louvor... pode não parecer legalista, pelo contrário, mas é completamente farisaica.


Apocalipse começa com cartas para sete igrejas; observe suas falhas:


-Éfeso deixou seu primeiro amor. Seus interesses estão próximos do mundo.


-Pérgamo foi atrás da doutrina de Balaão (disposta a sair do que Deus quer por causa do dinheiro, crescimento), o que é idolatria. Dinheiro, uma boa estratégia para o mundo.


-Tiatira foi seduzida para a fornicação e idolatria por "Jezabel" – a cara do mundo hedonista.


-Sardes está morta espiritualmente, mas tem a reputação de estar viva. Um sucesso para o mundo.


-Laodicéia é morna, parece rica, tem muitos bens, é um "sucesso", mas é espiritualmente pobre, parece bem alimentada, mas está faminta. Próspera aos olhos do mundo.


Essas igrejas foram atrás da estima dos homens e caíram da posição distintiva cristã. Esmirna e Filadélfia não ganham nada além de elogios da parte de Deus por permanecerem firmes em meio a perseguição e oposição, apegando-se a palavra de Deus em meio a sofrimentos.


Seguimos Deus, deixe o homem fazer o que o homem vai fazer. O sucesso da Igreja nunca é dependente de homens, é sempre e sempre dependente do Espírito. O chamado é um compromisso com a Verdade - Quando o louvor dos homens entra em foco - nos tornamos farisaicos mesmo se nos achamos modernos, quem sabe até liberais, e recebermos o aplauso do mundo como "relevantes".

0 comentários:

Postar um comentário

 

Adoração!

Flickr Photostream

Sermões!

C. H. Spurgeon