Vinícius de Moraes e a Graça Comum!



"Que (o amor) não seja imortal, posto que é chama

Mas que seja infinito enquanto dure". - Vinícius de Moraes



Isso é poético? É! É Arte? É! É poesia? Certamente. É o que as pessoas chamariam alegremente de "Graça comum".


Mas também é exatamente o oposto do que Deus revelou ser amor e a visão divina de fidelidade. Ironicamente o nome dos versos é "Soneto da Fidelidade" - Uma fidelidade bem estranha aos olhos de Deus.


Essa idéia é que baliza a frase tão comum nas famílias que são despedaçadas: O amor acabou!


As coisas mais "belas" de uma cultura (que achamos poder tornar boa simplesmente com o título: "Graça comum" ) - na verdade expressam a depravação dessa cultura e sociedade.


“Graça comum” tem se transformado, infelizmente, na boca de muitos, simplesmente numa tentativa de justificar o nossos desejos e gostos que muitas vezes não passam da expressão mundana de nossos corações. Tudo que os homens produzem dependem das faculdades e das coisas boas que Deus lhes deu, o que não significa que o resultado, apesar da bondade daquele que deu essas faculdades e habilidades, seja algo agradável a Deus. Pelo contrário, muitas vezes o homem usa o que de melhor recebeu de Deus para aumentar em muito Sua ira sobre Ele.

1 comentários:

  1. Totalmente corroborado: graça comum que não promove a glória do Ser de Deus não tem a menor graça! Precisamos ser críticos e honestos com aquilo que nos move em direção à cultura. Abraços!

    ResponderExcluir

 

Adoração!

Flickr Photostream

Sermões!

C. H. Spurgeon